Buscar
  • Victor Prado

Gincana - solução pro engajamento online?

Mais de 100 bilhões de horas de conteúdo relativo a games foram assistidas no Youtube em 2020.


Esse número não inclui o 1 bilhão de horas em Streams de games (conteúdo ao vivo) na plataforma Twitch. Entre inúmeros recordes quebrados de utilização da internet, o Brasil conseguiu superar os Estados Unidos em tempo diário nas redes sociais.


Não há dúvida que os jovens estão nas redes e focados em games. Mas a pergunta é: como direcionar isso pros estudos?? A solução pode ser mais simples do que parece...

Gincanas existem há milhares de anos. A palavra é de origem indiana e foi se alterando, porém o conceito é um só: um espaço – local ou temporal – onde desafios e competições acontecem.


Embora sejam comuns nas colônias de férias, as gincanas estão ganhando espaço nos cursos e nas redes sociais. A diferença é que agora, as gincanas são gamificadas e online!

Elas permitem passar tarefas diferentes na forma de desafios, e a técnica da gamificação entra justamente para contextualizar e ilustrar o progresso do participante, em uma linguagem familiar. Na prática, a gincana pode acontecer nas redes sociais através de vários posts de desafios e com conteúdo informativo, para auxiliar na resolução desses desafios. Ao final de um intervalo estabelecido, os participantes mais engajados são reconhecidos!


Foi exatamente o que aconteceu em 2020 nas redes sociais da @forgames_brasil. A “Sofatrona Petropolitana” – a primeira gincana online de valorização da cultura gamer em Petrópolis. Foram 125 desafios, tais como: “reproduzir algum prédio ou local histórico de Petrópolis em um jogo” ou “criar a família imperial em algum jogo e explicar quem foram”. 162 famílias de Petrópolis participaram ao longo de 45 dias!


Agora o SESC Rio está nessa também! Usando games como meio, o Desafio Game Sesc pretende estimular a reflexão crítica em áreas como Arte, Ciência e Tecnologia. E tudo acontece de forma gratuita nas redes sociais.


É usar o ambiente que eles já frequentam e a linguagem que eles conhecem para exercitar um pensamento crítico.